domingo, 27 de maio de 2012

Será que “sou índigo ou cristal”?

Ao observar nossa vida cotidiana, podemos perceber com clareza como todos os processos da humanidade estão se acelerando. Se analisarmos a história recente, a última década, por exemplo, que foi a primeira do século XXI, comparando-a com a primeira década do século XX, e fomos retrocedendo no tempo, logo iremos concluir que é um fato como a humanidade evolui em inteligência e tecnologia. Em contrapartida, também podemos perceber nitidamente que as diferenças sociais e principalmente conscienciais tornam-se cada vez mais discrepantes. O mundo que vivemos está chegando à um ápice evolutivo, a ponto de executar um “salto quântico evolutivo”... O planeta Terra, amada Gaia, vivencia em sua totalidade um processo de “ascensão” elevando suas frequências de uma energia índigo, para dar um novo passo em sua evolução, manifestando a plenitude do AMOR e da Paz através da “Consciência Cristal”.

             Nos últimos anos, é cada vez mais frequente a quantidade de informações que encontramos sobre crianças índigos e cristal, sendo que a maioria delas, são meras repetições e “rótulos” que acabaram por se tornar um grande foco comercial, do pessoal da “Nova Era”. Como em tudo aqui na matéria, a dualidade sobre este tema se acentua, e somente nossa experiência pessoal é que pode comprovar determinadas “verdades relativas”.
         Já se passaram mais de 7 anos desde meu primeiro contato com o tema “índigos e cristais”, e nos últimos três, venho dedicando-me integralmente em compreender mais as teorias apresentadas, vivenciando esses conhecimentos com os seus verdadeiros “detentores”, os seres índigos e cristal.
                Grande parte dos textos e livros do assunto, citam datas de referência e a principal delas seria em Agosto de 1987, data conhecida como “Convergência Harmônica”, aonde os seres responsáveis pela evolução de Gaia, reuniram-se e “abriram novos campos de consciência e possibilidades de evolução”. Muitos pesquisadores referem-se ao campo cristalino ou REDE CRISTAL 144, como uma malha eletromagnética que envolve o planeta, e cria o “holograma da vida”. Neste campo de hipercomunicação, também conhecido como noosfera, todas as consciências, funcionam como uma única Consciência coletiva, a Unidade de vida em Gaia; uma “Consciência Cristal”.
Muitas pessoas que fazem esta mesma pergunta: “Será que sou índigo ou cristal?”; acabam percebendo que as respostas as levam à crer que muitas vezes somos os dois. E isto é um fato na dualidade. Grande parte dos seres humanos está vivenciando uma transição de índigo para cristal, e oscila entre momentos de plena lucidez e momentos de dúvida e dualismo.
                 Gosto de enfatizar o que aprendi sobre este assunto na prática, e um dos principais ensinamentos que recebi (diretamente de crianças cristais) é que a idade é o irrelevante, assim como as datas em que os seres nasceram. Através de minhas pesquisas percebei que existem adultos que já nasceram “cristal” e te mais de 40 anos, e que tem crianças de 4 anos que ainda são totalmente “índigos”.


O que posso dizer é que existe sim uma tendência maior de que a geração índigo sejam jovens e adultos de seus 15 à 40 anos, que os “violetas” tenham entre 10 a 20 anos, e que as crianças são em maioria consciências  mais próxima da energia cristal.
Em 1987, na convergência harmônica, Gaia recebeu uma nova oportunidade de avançar em energia e consciência, e uma série de fenômenos de expansão do campo eletromagnético do planeta, criaram muitas possibilidades, e a “aceleração” do tempo-espaço, e por consequência um maior dinamismo evolutivo.



Com tantas informações que chegam sem parar, da consciência infinita para cada um de seus canais humanos, ainda resta a pergunta: “SERÁ QUE SOU INDIGO OU CRISTAL”?

Posso dizer que somos todos UM... Todos índigos e todos cristal.

Os índigos sentem-se totalmente livres para AMAR de qualquer forma, para “destruir” os velhos sistemas, para romper limites, para descobrir, desbravar, investigar e mudar qualquer coisa, pois tem uma forte certeza interior de que tudo é como dever SER. São conhecedores de sua missão pessoal, “revolucionários” por natureza, totalmente à favor da liberdade de expressão, e são os primeiros a “lutar” contra hierarquias opressoras. Os índigos são os verdadeiros “leões da vida” que tem energia e atitude para cumprir a missão, “custe o que custar”.
Os violetas são seres que tem uma tendência pacificadora e harmonizadora das situações, gostam de utilizar a diplomacia e a inteligência para criar soluções que “evitem conflitos”. Com uma energia mais “refinada e sutil” que os índigos, possuem a sabedoria e a compaixão pelos seres “caídos” e sempre buscam formas de transmutar as situações, o que por muitas vezes pode ser doloroso para eles mesmos, pois tem uma certa tendência em “somatizar” o sofrimento alheio.
Os cristais são puro AMOR, alegria, brincadeira, leveza e presença de espírito. Dizem tudo com seus olhares, nem precisam de palavras, de ações ou de qualquer tipo de “ativismo” para cumprir seu objetivo, pois já sentem totalmente a UNIÃO interior com a Fonte de AMOR, a Consciência Suprema  que é Deus. Estes seres modificam o mundo por sua simples presença.
Existem muitas outras formas de identificarmos as crianças índigo e cristal, e serão muitos os livros e artigos que irão dar dicas sobre o assunto, mas como um SER Índigo-Cristal este é um resumo, uma resposta para a pergunta...
- Sua experiência pessoal é a única forma de comprovar a realidade. Ao invés de acreditar em tudo o que leu aqui, ou em qualquer lugar, busque experimentar o AMOR que existe em ti. Medite por alguns minutos e vai ver que todos somos índigos, violetas, cristais, e que também somos os seres “caídos”, que estão opacos e sem refletir a luz... Somente experimentando a verdade é que seremos realmente conscientes que somos filhos de Deus, que somos AMOR, e a resposta para esta, ou para qualquer pergunta é a mesmo... Somos todos UM... Somos todos AMOR!
 
http://conscienciacristal.blogspot.com.br/

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Eu, um adulto índigo, na educação.





Eu, um adulto índigo, na educação.
por Margrethe Skou Larsen

Lendo o livro Crianças Índigo, da Ingrid, bem rápido me reconheci como um adulto índigo. Eu nasci em 1964, em Porto Alegre, e desde pequenina manifestei um espírito independente, o que surpreendia principalmente o meu pai. Com dezesseis anos, no ginásio em Salzburg, na Áustria, me sentia muito mal. Como eu tinha perdido o meu pai quando eu tinha quase onze anos, eu estava, desde então, ligada com as questões essenciais da vida:
1. Para onde o ser humano vai depois da morte? De onde ele vem antes de nascer? Porque estamos aqui? Quem somos nós? – Isto a gente não aprendia na escola. Eu a considerava um fracasso, pois as questões mais importantes ela não abordava. Em vez disso quase todo mundo decorava conteúdos, muitas vezes sem entendê-los ou questioná-los, apenas para ganhar notas boas e escapar do perigo de rodar.
2. Os professores vinham para a escola porque era o seu ganha-pão. Estavam eles também longe de questionar o que estavam fazendo, seguiam apenas as ordens do ministério da educação.
3. Acima de tudo tínhamos que ficar sentados quase todo o tempo recebendo informações. Sentia me como um balde, sem a possibilidade de digerir tudo que era despejado nele. Sentia frio e ficava com dor de cabeça. De tarde tinha que me recuperar dormindo várias horas. O resto do tempo eu passava fazendo lições de casa.
E o motivador principal para esta prática escolar era o medo...
Foi nesta época, por volta de 1980, que surgiu o movimento Punk na Inglaterra e em seguida também na Suíça. Filhos de boas famílias, com bastante poder aquisitivo, se vestiam como se tivessem saído do esgoto... Começaram a demolir as lojas chiques na Bahnhofstrasse em Zurique. Toda Europa ficou chocada e se perguntava: “qual é a motivação destes jovens?”.
Estando na mesma faixa etária eu os entendia. Dava vontade de fazer a mesma coisa! Se não fiz é porque nunca fui um tipo violento, sempre senti que a saída não é por aí. Porém, vontade não faltava para destruir este mundo superficial, este brilho falso que esconde o vazio, o mundo do consumismo exagerado que apenas quer distrair a atenção da falta geral de sentido.
Foi nesta época que veio um senhor com cabelinhos brancos, também da Suíça, para falar em Salzburg sobre: “Como a Pedagogia Waldorf encara a atual crise na educação?”. Fui na palestra, peguei fogo e estou em chamas até hoje.
“Porque os nossos professores não estão ensinando assim, de pé no chão, baseando o seu ensino numa compreensão real do ser humano?” – eu me perguntei. Então decidi finalizar os meus estudos na escola convencional para depois estudar Pedagogia Waldorf. Quis me tornar um professor melhor do que aqueles que eu tive. Coloquei-me em busca de uma educação mais viva, permeada de sentido.

Como é a Pedagogia Waldorf?
Em primeiro lugar ela entende o ser humano pelo que ele é de fato: um espírito encarnado que vem para a terra para evoluir, conforme a sua própria escolha. Ele chega aqui como uma semente e precisa de condições favoráveis para poder desabrochar. Como nós adultos podemos proporcionar boas condições para um desabrochar saudável?
Como primeiro passo precisamos entender que o ser humano precisa de tempo: vinte um anos para pousar no planeta terra. Três fases específicas ele perpassa nestes vinte um anos, cada uma com sete anos de duração, os setênios. A Pedagogia Waldorf, que se baseia na Ciência Espiritual Antroposófica (1), conseguiu desvendar cada vez mais as necessidades específicas do ser humano nestes três setênios, em sua prática pedagógica ao longo de quase cem anos desde a fundação da primeira Escola Waldorf, na Alemanha em 1919 (2).
Falando de maneira resumida (3): No primeiro setênio (0 – 7 anos) a criança desenvolve principalmente o seu querer e precisa, em função disso, de condições adequadas neste sentido; no segundo setênio (7 – 14 anos) ela desenvolve principalmente o seu sentir e precisa então de alimento especifico para a sua alma; no terceiro setênio (14 – 21 anos) ela entra na fase madura para pensar, para desenvolver julgamentos próprios e isto também precisa ser promovido de maneira adequada. Em outras palavras: na Escola Waldorf o ser humano tem a permissão de chegar, passo a passo, à sua maturidade. Usando uma imagem: O fruto não é colhido da árvore quando ainda está verde. Pode permanecer no galho todo o tempo necessário e receber bastante sol, até ficar doce e saboroso. Com maturidade então o jovem vai para o mundo, pronto para fazer escolhas próprias e contribuir com o seu jeito especial e único para a evolução da sociedade humana. Ela, a sociedade, só ganha com isto.
Em contrapartida, na escola convencional, a criança não tem tempo, nem para ser criança, nem para brincar. É tratada já como um pequeno adulto no jardim de infância, na base do medo dos pais: “Se o meu filho não aprende a escrever com quatro anos como vai passar no vestibular com dezesseis?”.
Na Escola Waldorf o fundamento sólido da Ciência Espiritual Antroposófica traz segurança: tudo na vida tem o seu momento. É importante ir passo a passo, com calma e confiança, que assim o ser humano se desenvolve bem. Não posso aqui entrar em muitos detalhes da prática pedagógica Waldorf (para aprofundar veja bibliografia abaixo). Porém, quero dirigir-me às três questões da minha juventude, do que eu senti falta no ginásio na Áustria:
1. O sentido da vida. Na Escola Waldorf, como se entende que o ser humano é um espírito encarnado que vem para evoluir no planeta terra, o sentido da vida permeia todas as aulas. Ele não é ensinado especificamente, mas ele sempre está presente pela consciência dos professores. A Ciência Espiritual Antroposófica tem metodologia própria para investigar de onde o ser humano vem para nascer aqui e para onde ele vai depois de morrer. Nascimento e morte são portais para outros âmbitos da realidade. A vida em si continua, apenas se transforma.
2. A presença do professor na escola é diferente quando baseada em tal fundamento. Ele não exerce sua profissão apenas como ganha pão, mas idealmente, sente uma missão a cumprir a cada dia. Sua ligação com os alunos é de coração: estamos todos evoluindo aqui, ajudando uns aos outros. Esta consciência permeia o professor com entusiasmo e dá força e inspiração para os desafios do dia a dia pedagógico.
3. Na Escola Waldorf os alunos também se movimentam todos os dias. Porque? Porque a criança não é considerada um mero recipiente para conteúdos, mas precisa vivenciar, elaborar e digerir cada novidade. Esta prática se baseia no fato de que o nosso pensar atual (4) tem como instrumento o cérebro na cabeça, o nosso querer tem como instrumento os membros e o nosso sentir respira ritmicamente nos órgãos do tronco, principalmente no pulmão e no coração. Estes três âmbitos da composição do corpo humano precisam ser exercitados a cada dia. Por isso o currículo Waldorf alterna conscientemente as matérias com foco mental com as práticas corporais, tendo como centro das atenções as atividades artísticas, que fazem a ligação entre os opostos: cabeça e membros. Um ser humano que passou em sua educação por um currículo assim composto, vai ter em sua vida adulta estas três capacidades a sua disposição: o seu pensar, o seu sentir e o seu querer.
Lembrando os ensinamentos do filme: O Segredo, fica claro como é importante ter estes três à disposição, pois criamos a nossa realidade nestes três passos: pensar – sentir – agir!
Em contrapartida, o ser humano que sai da escola convencional teve apenas o seu mental estimulado e sofre de sentir e querer atrofiados. As conseqüências para a sociedade são dramáticas. A qualidade de vida em geral baixou nas últimas décadas, apesar da perfeição cada vez maior da tecnologia. A humanidade está submersa em uma epidemia de depressão. A violência aumenta a cada dia(5). Tudo isto pode ser evitado!

O ideal da Pedagogia Waldorf e os seus desafios.
Como qualquer idéia genial que entra na corrente da história da humanidade, a Pedagogia Waldorf, assim como a sua base, a Ciência Espiritual Antroposófica, depende de cada ser humano nela engajado. Somos todos humanos, isto quer dizer compostos de luz e sombra.
Qual é o maior desafio para o professor Waldorf? Tornar-se vivo e manter-se vivo no dia a dia! Ser um constante vir a ser, um ser humano em processo, em desenvolvimento constante, em busca da sua essência.
Sei disto de experiência própria. Tornei-me professora Waldorf e atuei durante oito anos numa Escola Waldorf na Alemanha. Comecei cedo e na realidade muito mal preparada para esta tarefa, mesmo estando cheia de boas intenções...
As crianças índigo que eu tive como alunos não aceitaram uma prática pedagógica conforme “receita de bolo”. Mesmo a receita sendo Waldorf, não bastava para o ensino real. Isto ficou claro já nas primeiras semanas da minha atuação e hoje sinto muita gratidão pelo jeito radical destes alunos. Eles queriam, desde o inicio, uma professora verdadeira, transparente e viva.
Firmei o meu foco nesta meta e caminhando na estrada da minha profissão fui descobrindo como realizar este ideal. Posso também dizer assim: eu já tinha sido uma criança índigo, como descrevi no inicio, porém, como poderia me manter índigo na vida adulta? Como poderia escapar do perigo de esfriar, de entrar numa rotina oca que se baseia em práticas do passado que eu aprendi na minha formação Waldorf? Como poderia deixar o meu trabalho vir a ser a cada dia?
Na Europa, nos anos noventa, eu vivenciei a crise na Pedagogia Waldorf e percebi a essência desta crise neste ponto: o desafio de se tornar vivo a cada dia novamente se apresenta para cada professor, que tem a escolha entre atuar “conforme manda o figurino” ou de ir até as raízes, vivenciar regularmente a base desta prática e criar os seus atos diários na base de vivências próprias, fundamentadas em pesquisa própria.

Como vir a ser um índigo a cada dia?
Eu trabalho com o corpo. Ensino Euritmia (6). Na Escola Waldorf ela está no currículo do jardim de infância até o fim da escola. Porquê? Porque o espírito que vem para a terra precisa da alma e do corpo para se manifestar no mundo terrestre. Passo a passo o espírito se torna amigo do seu corpo e da sua alma, ajuda a formá-los e aprende a se expressar através deles.
Nos três setênios o ser humano passa por várias fases nas quais esta relação espírito/alma/corpo se torna mais ou menos agradável. A vida se desenvolve em altos e baixos, como ondas. A prática corporal da euritmia ajuda nesta relação. O ser humano se torna amigo do seu corpo, aprende a viver bem nele e aprende a usa-lo como instrumento de expressão para a sua alma. Quando adulto ele tem então o seu pensar, sentir e querer à disposição e se sente confortável no uso do seu instrumento. Uma base sólida e flexível para uma boa auto-estima se criou desta maneira.
Quando um ser humano não passou pela Escola Waldorf, como eu, uma relação saudável com corpo e alma não se criou durante a infância/juventude. Ao contrario. Cedo já eu sentia que havia sido deformada pela minha formação escolar...
É possível transformar esta deformação? É possível deixar a vida desabrochar onde a morte foi imbuída? Muitas vezes me senti, em relação ao meu corpo e à minha alma, como um agricultor em face a um campo duro... Para que as sementes soterradas e apertadas neste solo pudessem germinar e desabrochar, a terra teria que ser primeiramente afofada.
Será que isto não vale para todos nós que passamos pela deformação da escola convencional? E quando uma pessoa assim decide atuar numa Escola Waldorf, ela não precisa, antes de tudo, passar por um processo de cura? Ela não precisa se transformar? E se ela não fizer isto, como ela vai conseguir proporcionar às crianças aquilo que ela não recebeu em sua infância/juventude e nem consegue proporcionar para ela mesma agora? O perigo de atuar de maneira convencional mesmo dentro de uma Escola Waldorf não se torna bem grande? Rudolf Steiner, o fundador da Pedagogia Waldorf, diz na primeira conferência no livro Arte da Educação I: “O ser humano atua no mundo não apenas através daquilo que ele faz, mas principalmente através daquilo que ele é”.
Concordo plenamente quando é dito que a Pedagogia Waldorf é a pedagogia indicada para as crianças índigo. Elas vêm ao nosso encontro com sensibilidade espiritual à flor da pele com o impulso de nos tirar do nosso sonho materialista. Então o professor Waldorf não precisa se tornar índigo também, quer dizer começar a vivenciar que a realidade é uma composição viva entre matéria e espírito? E com isso adotar um estilo de vida mais saudável, que respira e proporciona a ele também o exercício diário do seu pensar, sentir e querer? Como fazer isto?
Conforme a minha experiência, a prática regular da euritmia é uma boa idéia. Ela consegue transformar o ser humano deformado (= apenas mental, com sentir e querer atrofiados) em um ser humano completo novamente; em um ser humano que respira entre a polaridade cabeça e membros com ricas sensações e sentimento.
Considero isto um milagre! O ser humano adulto que tende para o enrijecimento pode desfazer suas tensões e se colocar de volta no fluxo saudável da vida. Vivencio isto a cada dia no Espaço Vivo onde eu trabalho atualmente, principalmente com adultos. Única condição para a realização deste milagre é praticar regularmente, como malhar em academia. A diferença em relação à academia é que no caso da euritmia a gente malha o nosso pensar, sentir e querer, movimentando corpo, alma e espírito.
Que tal? Ficou curioso? Então a melhor coisa é experimentar. O efeito? A qualidade de vida melhora, e muito! O ser humano se torna sensível novamente para a percepção da realidade plena: ela é um casamento constante entre matéria e espírito.
As crianças índigo já têm esta percepção. Elas vieram para nos tirar do nosso sonho materialista. A euritmia foi criada para ajudar neste despertar.
(1) Ciência avançada com metodologia própria para investigar o mundo supra-sensorial e a sua relação com o mundo sensorial. Foi fundada pelo filósofo e cientista austríaco Rudolf Steiner (1861 – 1925).
(2) O fato que hoje a Escola Waldorf tem apenas 12 anos de duração (dos 7 aos 18 anos) em vez de 14 anos (dois setênios completos) é conseqüência do compromisso com as leis existentes em cada pais. Porém, existem instituições específicas que oferecem atividades para jovens entre dezoito e vinte um anos como, por exemplo, o Jugendseminar em Stuttgart, Alemanha.
(3) Para aprofundar o assunto veja bibliografia abaixo.
(4) O nosso pensar atual, o pensar lógico, que tem o cérebro como seu instrumento, é um pensar linear, limitado dentro de uma visão dualista. Estes limites podem ser superados e assim ele serve como ponto de partida para um pensar mais avançado, o pensar supra-lógico, que é um pensar em ondas que terá no futuro como seu instrumento o coração. Veja também: www.heartthink.com
(5) Heinz Buddemeier: Mídia e Violência, EDITORA ANTROPOSÓFICA.
(6) Arte de movimento que harmoniza corpo, alma e espírito e re-conecta o ser humano com as forças do universo. Surgiu em 1912 na Alemanha, como fruto da Ciência Espiritual Antroposófica. Desde então tem se espalhado pelo mundo, sendo vivenciada como uma fonte de vitalidade e bem estar. Veja também: www.euritmiaviva.com

Bibliografia:
- Rudolf Steiner: A Educação da Criança Segundo a Ciência Espiritual.
- Rudolf Steiner: A Arte da Educação I, II, III.
- Rudolf Lanz: A Pedagogia Waldorf – caminho para um ensino mais humano.
Mais livros:
www.antroposofica.com.br
www.editorajoaodebarro.com.br
Pedagogia Waldorf no Brasil:
www.sab.org.br/fewb
Alliance for Childhood - Aliança pela Infância:
www.aliancapelainfancia.org.br
www.allianceforchildhood.org
 
Este texto é parte do livro:

Adultos Índigo livro de Ingrid Cañete
RESENHA
Adultos Índigo procura responder a questão que inúmeros adultos se fizeram após terem lido sobre as Crianças Índigo: “Descobri que sou um Adulto Índigo e agora?!”.
O livro traz as características desses adultos sob a ótica do processo evolutivo humano. Fala da “síndrome do estrangeiro”, ou seja, da experiência de sentir-se um “estranho” aqui neste planeta, um ser “desencaixado”. Fala sobre a missão dos Adultos Índigo, ressaltando seu papel fundamental: o de receber bem as próximas gerações. Traz uma abordagem sobre a liderança e o papel dos Adultos Índigo neste momento global e apresenta depoimentos e casos reais sobre eles. Um destes casos: um Adulto Índigo na educação, fala sobre a Pedagogia Waldorf.
Pode-se comprar o livro nas melhores livrarias ou no site: Livraria da Travessa

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Arautos – Matías de Stefano

Organizando e Informando

desde os Registros Centrais do Universo

WebSite de Matías : http://www.ghan.com.ar/ 
Aqui vamos traduzir, ou intentar traduzir o material disponível no site de Matías de Stefano. São muitos artigos que ajudam a esclarecer sobre os momentos que estamos vivendo Agora! Esta será uma longa página que iniciará apresentando :
Quem é Matias de Stefano?
Meu nome é MATÍAS GUSTAVO DE STEFANO. Nasci em agosto de 1987, em VENADO TUERTO, ARGENTINA.
Sou uma destas tantas crianças novas que tem nascido desde 1987 adiante para trazer e ancorar a nova consciência, sou uma dessas crianças, adolescentes e adultos denominados comumente como ‘raros’, fracassados escolares, desertores sociais, ou “índigo”.
Sou um dos tantos trabalhadores, organizadores e guias deste começo de Era, desta transição que todos estamos vivendo. E é por este trabalho diante desta mudança que decidi realizar este espaço dentro da internet, na qual posso expressar que sou, quem somos, o que fazemos, e contar um pouco sobre o que eu vim fazer, como tem afetado a minha vida humana este trabalho, com a intenção de ajudar aqueles que estão no caminho de despertar seus potenciais, assim como eu estou fazendo. Como meu trabalho é guiar as almas que não estão centradas ainda na terra, meus “guias” e eu temos determinado que tudo quanto faça eu sobre a terra,   deve estar relacionado com a educação, e é por isso que decidi estudar psicopedagogia. Não obstante isso, meus estudos iniciados na Universidade Nacional de Rio Cuarto, Córdoba, Argentina, durante o ano de 2007, não puderam ser concretizados justamente por minha condição de índigo; não conseguia adaptar-me ao sistema e me era intolerável a maneira de sua educação arcaica para as novas e futuras gerações. Hoje em dia, estou me dedicando a trabalhar com as energias, preparando e ajudando a todos os humanos que possa para enfrentar com a nova Era, organizando seus corpos físico, emocional e etérico desde o trabalho com seu corpo energético.
Neste espaço, espero poder plasmar tudo aquilo que me tem representado desde pequeno, com a intenção de mostras que a vibração índigo e as tantas outras que estão entrando neste mundo, estamos cada vez mais presentes na sociedade. Os convido a recorrer minhas memórias, e a recordar as suas, e assim poder saber para que estamos trabalhando nesta vida , na qual temos decidido nascer.
Minha Vida
Minha infância foi levada a cabo em um entorno na qual ninguém tinha relação alguma com as temáticas que representam toda minha vida. Minha família católica não praticante ou não crente, teve que lidar de certa forma com meus problemas ou realidades… Durante os primeiros 7 anos de minha vida, podia observar aos seres etéricos, os quais quase todas as crianças vêem, e os adultos chamam de “amigos imaginários” . Estes amigos, eram seres elementais, fadas, gnomos, e também seres angelicais, que me ajudavam a compreender a realidade em que me encontrava.
Até aproximadamente meus 12 anos, compartilhei meu dia a dia com estes seres que me ensinaram a tratar aos demais como humanos, a manejar minhas emoções, minha sociabilização, e tudo que me era difícil levar diariamente.
A partir desta idade, estes seres desapareceram, me anunciando que começaria um novo período em que recordaria tudo o que havia feito antes, e que deveria escrever e desenhar tudo isso, utilizando ferramentas que me haviam ensinado para não sofrer o que estava por vir. Foi assim que neste mesmo ano , uma semana depois, começaram as visões, recordações e terríveis dores de cabeça que não cessaram até meus 17 ou 18 anos. Dentro deste período, meus amigos sempre estiveram me apoiando, ainda assim quando tivemos que mudar para a Espanha, onde terminaria meus estudos.
Estas dores traziam milhões de emoções, recordações da vida, história, idéias e momentos soltos, grandeza… tudo que levou a muitos acreditarem que eu padecia de enfermidades mentais como a esquizofrenia.
Durante estes anos, sempre tive incondicional apoio de minha mãe, que sem entender nada, aceitava tudo, e sentia que por algum motivo estava acontecendo tudo isso. Estes foram anos difíceis até que gente desconhecida começou a aparecer e das indícios do que me acontecia. Foi assim que minhas idéias começaram a organizar-se, através de conversas e terapias energéticas, encontrando pessoas que compreendia e ansiava por ouvir o que eu tinha para contar através de minhas memórias.
Durante este período, meus guias me comunicaram que devia voltar a Argentina, para começar meus estudos de psicopedagogia e pedagogia, eles diziam que era por ai onde encontraria a maneira de comunicar o que devia fazer, e que ensinando a aprender ajudaria aos demais. Por isso me dirigi a Rio Cuarto, para estudar tal carreira, a qual terminou um ano depois, quando os tempos se aceleraram.
Seguindo o caminho da pedagogia, começaram a aparecer pessoas que colaboraram em minha organização, dando sentido a tudo que sabia, dando o sentido psicopedagógico  as recordações que tive durante 6 anos…
Nestes tempos , meu trabalho seria de ajudar a entender , aprender e apreender as pessoas sobre os processos gerais do universo, da galáxia, e da terra, e de nos mesmos como humanidade.
E isso é o que sou e faço no aqui e agora, um “psicopedagogo da existência”, ajudando a quem necessite a ordenar suas idéias sobre a totalidade, nos preparando para os novos tempos que chegam, e compreendendo os porque que há milhões de naos nos tem confundido.
Agradeço por compartilhar esta descoberta dentro do plano de ATER TUMTI…
MATÍAS G. DE STEFANO

domingo, 6 de maio de 2012

Os Indigos Ensinam lição de Amor, Paz, União - Assista o Video!

ELUCIDANDO UM POUCO MAIS SOBRE O TEMA: Crianças Índigo e Crianças Cristal




Estes seres estão a chegar à Terra, cada vez mais e mais... encarnando em todos os países, em todas as raças, em todos os níveis sociais, nas aldeias mais distantes e nas cidades mais populosas e muito... muito possivelmente dentro da nossa própria família, bem debaixo do nosso nariz!

As Crianças Índigo estão encarnar aqui na Terra há bastante tempo, mas vinham poucas, até que depois da segunda guerra mundial começaram a vir em maior número e a partir da década de 80 começaram a chegar cada vez mais e mais.
Pesquisadores americanos estimam que depois de 1995 oitenta e cinco por cento dos nascimentos ocorridos na Terra é de crianças índigo!
Consta que Astrónomos como Freidrich Wilhelm Bessel , Paul Otto Hesse , José Comas Sola, Edmund Halley , depois de estudos e cálculos minuciosos, chegaram à conclusão de que o sistema solar gira em torno de Alcione , estrela central da constelação das Plêiades (constelação de Touro).

Nosso Sol é, portanto, a oitava estrela da constelação e leva 26 mil anos para completar uma órbita ao redor de Alcione . Descobriu-se também que Alcione tem à sua volta um gigantesco anel de radiação que foi chamado de cinturão de fotons (representa uma energia que está a chegar até nós). Um fóton consiste na decomposição ou divisão do electrão , sendo a mais ínfima partícula de energia electromagnética.

A cada dez mil anos o Sistema Solar penetra por dois mil anos nesse anel de fótons , ficando mais próximo de Alcione . A última vez que a Terra passou por ele foi durante a Era de Leão, há cerca de doze mil anos.

Na Era de Aquário, que terminou agora e está a iniciar a de Peixes, ficaremos outros dois mil anos nesse anel de radiação. Sob a influência dos fótons , todas as moléculas e átomos do nosso planeta passam por uma transformação, precisando se readaptar a novos parâmetros.  A excitação molecular cria um tipo de luz constante, permanente, que não é quente, uma luz sem temperatura que não produz sombra nem escuridão. Talvez por isso os hindus chamem de Era da Luz os tempos que estão por vir. 

Desde 1972, o Sistema Solar começou a entrar no cinturão de fótons , e em 1987 foi a Terra que começou a penetrá-lo, estando a avançar gradualmente até que no ano de 2012 deverá estar totalmente imersa por sua luz.

As pessoas despertas acordarão como de um sonho com seus centros de energia totalmente abertos, livres do véu do esquecimento, tanto pessoal quanto planetário, pertinentes à terceira dimensão.  As pessoas começarão a se reconectar com suas origens e propósitos da alma, que é o retorno da Consciência Crística para o planeta.

Um novo campo de percepção está disponível para aqueles que aprenderem a ver as coisas de uma outra forma. Desde a década de oitenta, quando a Terra começou a penetrar no cinturão de fótons , estávamos nos sincronizando com a quarta dimensão e nos preparando para receber a radiação de Alcione , estrela de quinta dimensão.

O véu do esquecimento que envolve o nosso planeta cairá de tal modo que os primeiros Semeadores de Vida na Terra, vindos de outros sistemas, reaparecerão para nos auxiliar a firmar uma nova civilização e a incorporar uma nova realidade.

Prestem atenção, eu vou repetir: O véu do esquecimento que envolve o nosso planeta cairá de tal modo que os primeiros Semeadores de Vida na Terra, vindos de outros sistemas, reaparecerão para nos auxiliar a firmar uma nova civilização e a incorporar uma nova realidade.
É aqui que entram as Crianças Índigo - essas crianças fascinantes... fantásticas... fabulosas... que são o próximo passo na nossa evolução como espécie humana. É evidente que algo se está a passar. Mas, o quê?
As Crianças Índigo são crianças espectaculares. E estão a chegar para ajudar na transformação social, educacional, familiar e espiritual de todo o planeta, independentemente de fronteiras e de classes sociais.  São catalisadores desencadeando as reacções necessárias para a transformação. 

Elas possuem uma estrutura cerebral diferente no tocante ao uso da potencialidade dos hemisférios esquerdo, menos desenvolvido, e direito, mais desenvolvido. Isso quer dizer que elas vão além do plano intelectual. Elas exigem do ambiente à sua volta certas características que não são comuns nas sociedades actuais.  E elas vão agir, aliás, já estão a agir, através do questionamento e transformação de todas as instituições rígidas que as circundam, começando pela família.  Família que se baseia na imposição de regras, sem tempo de dedicação, sem autenticidade, sem explicações, sem informação, sem escolha e sem negociação. Essas crianças simplesmente não respondem a essas estruturas rígidas, porque para elas é imprescindível haver opções, relações verdadeiras e muita negociação.  Elas não aceitam serem enganadas porque elas têm uma intuição para perceber as verdadeiras intenções dos adultos e não têm medo. Portanto, intimidá-las não traz resultado, porque elas encontrarão uma maneira de obter a verdade.

A segunda instituição vulnerável à acção dos Índigos é a escola. Hoje, o modelo de ensino é sempre imposto sem muita interacção, um modelo feito para o hemisfério esquerdo do cérebro, o racional, o lógico, incompatível com os Índigos que naturalmente têm o hemisfério direito mais desenvolvido, o que lhes dá o grande poder intuitivo, a grande capacidade de percepção extra-sensorial. Como elas possuem uma estrutura mental diferente, elas resolvem problemas conhecidos de uma maneira diferente, além de encontrar formas diferentes de raciocínio que abalam o modelo actual de ensino.

Assim, através do questionamento, elas influenciarão todas as demais instituições, o mercado de trabalho, a cidadania, as relações interpessoais, as relações amorosas, as instituições espirituais, pois elas são essencialmente dirigidas pelo hemisfério direito.
Mas porquê índigo? Porquê Crianças Índigo?
O nome : Criança Índigo refere-se à cor da sua aura, o azul-índigo , que indica uma aura de Mestre. São crianças especiais que decidiram encarnar no nosso planeta com uma missão e um objectivo específico: são guerreiros, detonadores de sistemas! Elas já vêm ao nosso planeta há bastante tempo. Alguns até argumentam que Jesus era índigo, pois a missão dele, numa escala global, era mudar a consciência da humanidade.

Nos anos setenta, começaram a vir em ondas. Muitos deles... seres que hoje estão nos seus vinte...trinta anos, a geração guerreira que começou a desafiar e a mudar os velhos sistemas. Nos anos oitenta e noventa, mais e mais ondas de índigos chegaram, agora com uma sensibilidade e refinamento maiores ainda! E no final dos anos noventa e início de dois mil eles ganharam a companhia das "Crianças Cristal" que chegam também como guerreiros... mas guerreiros espirituais!

Presentemente, estamos a ver uma geração de Mestres vindo para o nosso planeta, essas crianças também chamadas de "Crianças das Estrelas".  Elas são a nossa esperança para o futuro, elas são a nossa esperança para o presente.
Mas como reconhecer um Índigo?
A resposta óbvia seria verificar a cor da sua aura.  Mas nem todos os Índigos têm a aura na cor azul-escuro o tempo todo.  O termo Índigo também se refere ao estado da alma para além da cor da aura, que muda um pouco de acordo com sua disposição e seus interesses. Videntes que vêem os estados da alma podem identificar Índigos. No entanto, é fácil identificar um Índigo pela sua sensibilidade, criatividade, espiritualidade e padrões gerais de comportamento.

Como crianças, elas parecem-se com todas as outras crianças, embora sejam frequentemente bonitas e com olhos penetrantes. São sempre altamente inteligentes e cheias de perguntas e exigências. Têm muita energia, são muito activas, têm muita força de vontade e um senso forte do seu próprio valor e importância. Sabem que são especiais e que estão aqui para fazer alguma coisa significativa. Possuem amigos "imaginários" e adoram fadas e golfinhos.

A inteligência excepcional das crianças índigo pode ser exasperante para os adultos. Ninguém lhes dirá o que fazer, elas quererão debater e negociar cada instrução, cada ordem.  Até que os pais aprendam que estão a ser ensinados e aprendam a respeitar o direito de escolha da criança e honrar essa escolha, eles continuarão a ser confrontados com lutas de poder e batalhas de força de vontade. A maneira correcta de lidar com um Índigo é de estar disposto a negociar, explicar, dar-lhe escolhas. Ordens como  "faz assim porque eu mando" só produzirão hostilidade e indiferença.

Os Índigos geralmente não gostam nada da escola. Ficam entediados pelo passo vagaroso e pelas tarefas repetitivas. Aprendem através do nível de explicação, resistindo à memorização mecânica ou a serem simplesmente ouvintes. São hiperactivos, distraem-se com facilidade, tendo baixo poder de concentração. Têm alta sensibilidade, não conseguem ficar quietos ou sentados, a menos que estejam envolvidos em alguma coisa do seu interesse. Por serem orientados pela parte direita do cérebro, quando adultos, são geralmente atraídos por actividades e ocupações que usam o hemisfério direito, como a música, a arte, a escrita, a espiritualidade. Adoram cristais, Reiki , meditação e yoga. São intensivamente leais aos seus amigos, acreditam em honestidade e comunicação nas relações. Ficam frequentemente desconcertados com a desonestidade, a manipulação e outras formas de comportamento egoísta.

Uma das características chave dos Índigos é frequentemente a sua ira. As figuras de autoridade não conseguem nada com elas. Num nível profundo, elas não reconhecem a autoridade. Sabem que somos todos iguais e por isso ficam irritados, furiosos mesmo, com aqueles que se comportam ditatorialmente , quer sejam pais, professores ou patrões. São muito compassivos, amam os animais e qualquer forma de vida; têm muitos medos, como medo da morte e perda dos seres amados. Se experimentam muito cedo decepção ou falha, podem desistir e desenvolver um bloqueio permanente.

Um problema sério quando se trata de Crianças Índigo é o diagnóstico errado habitualmente dado aos índigos, catalogados como portadores de Sindroma do Défice de Atenção ou do Sindroma do Défice de Atenção e Hiperatividade.  Com isso, dá-se medicação, sedando toda a sua imensa potencialidade.

Estas crianças estão aqui para nos ajudar na transformação do mundo. Portanto nós precisamos de aprender com elas, principalmente escutando-as e observando-as.

As Crianças Índigo chegam aqui para nos dar um novo entendimento, são verdadeiros presentes para os pais, para o planeta e para o universo. Quando honramos estes pequeninos como presentes, nós vemos a sabedoria divina que eles trazem para ajudar a crescer a vibração do nosso Planeta.
O passo mais importante para entender e se comunicar com essas crianças é mudar a nossa forma de pensar a respeito delas, derrubando os nossos paradigmas para honrar os pequeninos como presentes ao invés de problemas.  Assim abriremos as portas para perceber a grande sabedoria que elas trazem. Eles honrarão essa intenção, e um caminho para o entendimento aparecerá.
Até aqui, falamos dessas crianças maravilhosas, as Crianças Índigo. Mas existe mais... as Crianças Cristal estão a chegar!
Por volta do ano dois mil essas crianças começaram e encarnar na Terra.  Elas representam o próximo passo na evolução humana. Elas seguem às crianças índigo. Sua missão é completar o trabalho começado pelos índigos. Elas também são detonadores de sistemas, são os guerreiros espirituais que vêm desmantelar e remover maneiras velhas e limitadas de pensar e vêm para começar o processo de renovação e reconstrução.

A missão primária de uma Criança Cristal é ensinar as maneiras de vida muiltidimensional em harmonia, paz e amor. Elas estão a chegar para nos ensinar como viver vidas emancipadas com o reconhecimento dos nossos plenos poderes. Elas vêm para nos ajudar a nos ligar novamente com as Energias Divinas. Elas representam o caminho futuro da raça humana. E uma das dádivas mais mágicas delas para conosco é que elas são catalisadores para a nossa evolução: várias crianças e adultos Índigo estão a fazer transição para o estado Cristal com a ajuda da elevação energética que essas crianças fornecem pela mera presença delas na Terra.  
As Crianças Cristal são primariamente reconhecidas pelas suas auras que são geralmente claras como cristal mas também podem ter tons de dourado, azul-índigo ou púrpura, dependendo de sua afiliação de Raio. As Crianças Cristal nascem com acesso ao seu Eu Multidimensional e estão geralmente ancoradas na Sexta Dimensão com a habilidade de se abrirem para a Nona Dimensão, a completa Consciência do Cristo! Isso quando o planeta estiver pronto, provavelmente em torno do ano de 2012, quando a primeira geração de Crianças Cristal atingir os 12 anos de idade.

Existem algumas características bastante definidas que as Crianças Cristal têm quando encarnam:
São geralmente bebês grandes e frequentemente têm cabeças que são proporcionalmente grandes para os seus corpos.  Tem olhos grandes e penetrantes as pessoas, nos olhos, por longos períodos.  O que esses bebés estão a fazer é acedar os registros de alma do adulto e ler quem é ele. Esse é um comportamento perfeitamente normal para essas crianças e elas ficarão muito contentes se o adulto fizer o mesmo de volta. É a maneira cristal de se comunicar, olhar para a alma de outro ser e sentir quem é ele. Uma coisa que todos nós aprenderemos a fazer no futuro.

Emocionalmente, elas são geralmente bebés muito bons e calmos formando um laço intenso com a mãe.  Esta é, geralmente, a primeira encarnação delas neste planeta e precisam da reafirmação e estabilidade que a presença física da mãe pode oferecer.  São crianças extremamente amorosas e frequentemente procurarão ajudar e curar tanto humanos como animais em sofrimento.  São crianças também extremamente sensíveis.  Elas não só são capazes de ler o registro da alma de uma pessoa como também sentir todas as tensões e raivas não resolvidas que a pessoa carrega no seu subconsciente. É por isso que elas são tão sensíveis ao seu meio ambiente.

Educar uma Criança Cristal pode ser um verdadeiro desafio.  Frequentemente os assuntos não resolvidos dos pais são sentidos pela criança , que será afetada negativamente por essas emoções.  Mas a característica pessoal mais fora de série das Crianças Cristal é o seu poder.  Elas são muito poderosas!  Elas têm as energias poderosas de um Mestre da Sexta Dimensão. É por isso essencial que os pais aprendam a respeitá-las e a negociar com elas.  Senão essa energia poderosa será usada em lutas por poder que seus pais ou educadores nunca irão ganhar.

Crianças Cristal têm várias dádivas especiais que derivam das suas habilidades multidimensionais.  Elas têm a habilidade não só de ler os campos de energia das pessoas como muitas outras habilidades psíquicas, desde mover objetos mentalmente até ler livros sem abrí-los e ainda têm uma grande habilidade de comunicar-se telepaticamente e é por isso que elas, às vezes, não falam até que tenham 4 ou 5 anos de idade.

A missão de todas as Crianças Cristal é avançar a evolução humana pelo processo da ascensão. Elas estão aqui para nos mostrar como viver de uma maneira completamente nova e diferente.

Só por chegarem em tão grande número e ancorarem a Energia Crística, elas estão facilitando uma mudança nas energias planetárias. Mas também estão aqui para nos ensinar técnicas de vida multidimensional para o reconhecimento dos nossos plenos poderes.

A Criança Cristal move-se facilmente entre as diferentes dimensões. Não estão nada limitadas ao mundo da terceira dimensão; embora tenham corpos e funcionem na realidade da terceira dimensão, elas estão essencialmente sintonizadas na sexta dimensão e trazem essa energia para o nosso planeta.
O princípio fundamental por trás dessa maneira de viver é a Consciência da Unificação.  As Crianças Cristal percebem e vivem a Unidade.  Elas sentem as energias dos outros. Elas apanham ansiedade e stress que não são delas.  Elas sentem as toxinas no ambiente e na comida.

Temos que estar conscientes da dádiva que estas crianças nos trazem. Elas são o futuro.  E a dádiva especial delas para conosco é nos dizer que nós nos podemos tornar no que elas são agora, se deixarmos que as suas energias nos movam para o próximo degrau na escala da evolução.

Ao chegarem em número tão significativo elas estão precipitando o despertar espiritual de grande número de humanos. E não há limite de idade para isso. Podemos ter 10 ou 100 anos e ir nessa onda de energia Cristal e renascer no seu estado Crístico!
Aos pais de índigo e cristal:
Não as forcem a enquadrar-se nos velhos moldes. Elas chegaram com novas marcas de nível superior para a humanidade, codificadas dentro do seu ser. Elas carregam em seu interior grande sabedoria espiritual.
Lembrem-se de que vossos filhos não são vocês.  Em outros níveis do seu ser vocês estabeleceram acordos com eles para permitir-lhes vir através de vocês para a experiência no plano terrestre.  Repito, eles vieram através de vocês mas não são vocês.  Cada um deles é único e vem com sua própria personalidade, talentos e pensamentos.  Não esperem que eles vivam os seus sonhos, pois eles têm os seus sonhos próprios.

Passa a ser vossa tarefa amá-los incondicionalmente, sustentá-los e encorajá-los nas suas explorações e ajudá-los a descobrir seu propósito de estarem aqui, suas missões e a exercerem os papéis apropriados para eles.
Estas crianças trazem sistemas neurológicos diferentes em seus corpos. Elas exigirão muito amor e compreensão por parte de suas famílias e da comunidade. Essas crianças podem parecer desajustadas e de certo modo são, porque elas anunciam a chegada da sétima raça original, a raça índigo ao nosso planeta.  Elas são as precursoras de seres de dimensões ainda superiores que virão.

Seria conveniente que vocês ampliassem vossos horizontes com alguns estudos metafísicos.  Seria desejável iniciar momentos de meditação familiar e que cada pessoa possa compartilhar em comunhão espiritual, para permitir que cada membro da família participe de algum modo.  Além disso, as crianças sabem que existem anjos em volta que encorajem essas conexões.  Permitam que o reino angélico participe desses momentos miraculosos no plano terrestre.
Dêem ouvidos aos vossos filhos quando eles manifestarem o desejo de compartilhar suas experiências com sonhos. Muita informação é transmitida, os sonhos trazem mensagens da alma.

Encorajem seus filhos a apreciar e respeitar a natureza, a sentir a terra, a observar as plantas e os animais em seu ciclo através das estações.
Ensinem-nos a amar e respeitar seus animais de estimação.  Se possível, levem-os à praia, às montanhas e às planícies.  Permitam que eles vejam diretamente a grandeza do planeta.  Pergunte o que eles estão a ver, sentir e talvez ouvir pois eles não irão ver, ouvir e sentir o mesmo que vocês.
Dêem-lhes ouvidos.  Eles são sábios.  Permitam que eles vos ensinem de modo a que vocês possam compartilhar de seu encanto.

Com a mescla dos planos astrais inferiores no plano físico, vossos filhos podem ver figuras, formas e outras aparições... essas visões durante a vigília são válidas e podem ser divertidas ou assustadoras... sábio é o pai que não rejeita essas experiências de seus filhos.  Encorajem os vossos filhos a falar sobre essas experiências, e riam com eles ou compadeçam-se com eles mas permitam que eles manifestem essas visões.  Trabalhem com os vossos filhos para passar essas entidades para as mãos orientadoras das forças angelicais, que em troca os conduzirão a seus lugares apropriados em outros planos de existência.

Não sejam precipitados nas vossas avaliações, pois os vossos filhos não são loucos.  Se vocês, de alguma maneira, ficam confusos sobre como cuidar destas crianças e do seu crescimento, procurem orientação apropriada daqueles que compreendem princípios metafísicos e espirituais e a transmutação de energia.

Dêem aos seus filhos a máxima atenção.  Eles nos ensinarão muito e vocês serão abençoados por eles.  Amem  incondicionalmente.  Abençoem  vigorosamente.  Tratem com grande carinho, pois eles são os vossos instrutores.  Eles vêm para cá com muito amor para compartilhar e vêm com paz, harmonia, tolerância e alegria nos seus corações.

Sim, ouçam bem, pois eles trazem-nos lições de sabedoria.
 
fonte: internet


*************************************************************************

Crianças Cristal

por Isabel Leal

Crianças Cristal
Alegres, de grande capacidade de compreensão, perdão e compaixão. Surgem na geração que nasce entre 1998 e 2006, em grande massa, aproveitando a vibração já estabelecida pelos Índigo. Ambas as gerações são extremamente sensitivas, com capacidades psíquicas, mas com propósito de vida e de missão diferentes.

A grande diferença está no temperamento. Os Índigo tem a missão de abertura de caminho, de desestruturação das cristalizações instaladas e que fazem com que a humanidade se encontre estagnada ou em curso que os afasta cada vez mais da sua origem divina. De temperamento fogoso e determinado em alcançar as suas metas.

Quando não são bem entendidos e vivem em meios que os contrariem até à exaustão perdem algumas de suas capacidades, chegando em alguns casos a transformar-se em pessoas problemáticas, sem auto estima e sem rumo da vida. Sempre que um adulto não os entende e os repreende constantemente ou os medica como forma de acalmar a hiperactividade, o seu potencial é anulado ou adormecido.

Como podem estar lembrados o nome Índigo foi atribuído devido à cor e vibração energética de alguns Seres intimamente ligados com as características do chakra da 3ª visão, no qual estão centrados. Fenómenos como clarividência, clariaudiência ou sensibilidade à aura alheia são algumas das manifestações externas.

As crianças Cristal, apresentam um comportamento e vibração diferente. Podem pontualmente ser rebeldes pois são crianças de firmes convicções, não gostam de ser contrariados ou ver a sua independência colocada em causa nem tão pouco ver o seu espaço invadido. Por norma são doces, compassivos, fáceis de levar. Estão sempre preocupados com os que os rodeiam e mostram uma enorme sensibilidade a todos os sentimentos humanos. Cooperam com mais facilidade que os Índigo.

Amam a natureza e todos os seres em geral. Embora em primeira observação pareça que têm antenas de captação, sempre atentos a tudo e todos, agindo de uma forma integradora, na realidade estão mesmo ligados e tudo o que vive e tem essa consciência. Podem apresentar grande intimidade com o reino mineral, os cristais e as pedras, pois reconhecem-lhes o poder natural. Gostam de plantas e animais. E de musica. 
As crianças Cristal têm dons espirituais inatos como todos os Seres humanos. Com o passar dos anos é natural que a educação convencional faça um maior apelo ao hemisfério responsável pela atitude mental, mas os pequenos Cristal não se esquecem destas particularidades internas, nem mesmo com o passar dos anos. São muitas vezes mal entendidos e mal acompanhados no seu desenvolvimento pois este tipo de realidade pode escapar a pais e educadores.


Observar que os bebés olhem sérios ou a rir para o vazio é algo comum, mas a que não damos muita atenção. Cães e gatos fazem o mesmo. Passando a comparação entre Seres, todos nascemos clarividentes e ligados à fonte que nos alimenta. Ligados por isso a todos os sentidos que nos revelam tudo o que nos rodeia.


No passado muitas pessoas foram queimadas na fogueira, maltratadas e decapitadas. O medo do desconhecido pode tornar o homem na mais cruel das criaturas. Aceite se a sua criança tiver estes dons e apoie-a o mais que puder e souber. Ensine-lhe a responsabilidade que é ter estes dons, como estes devem ser sempre aplicados para bons propósitos, como a ajuda ao próximo respeitando as leis da natureza ou para cura efectiva.


A função da telepatia permite o contacto entre os seres que vivem através da sintonia vibratória, ou seja a energia dos Seres envolvidos terá que ser a mesma para que a comunicação se dê. Ainda é necessário ter a consciência desta capacidade inata em todos os seres, mas nas gerações adultas, esquecida. Esta capacidade já foi objecto de documentários, apresentado em filmes, de ficção, livros, mas não passava até ao momento desse registo. As crianças Cristal vêm trazer de novo à prática corrente este capacidade.
Muitas vezes começam a falar mais tarde do que o convencional, trauteiam musicas ou utilizam um dialecto que ninguém entende. Na verdade porque vêm capacitadas de comunicação por telepatia ou osmose energética. Até que alguém lhes fale pelo mesmo método ou elas façam o processo de adaptação à fala (uso corrente no planeta terra) pode haver um período de ausência de comunicação. Pode surgir confusão entre estes sintomas e os que caracterizam os casos de Autismo, mas tal não deve acontecer pois as diferenças são fáceis de distinguir.


As crianças Cristal não se revelam apartadas da realidade, penas revelam outros meios de comunicação e com estes revelam sempre uma elevada compreensão e inteligência. Logo que iniciam o processo padronizado de comunicação (a fala), muitas vezes por volta dos 3 a 4 anos, observamos estar perante uma geração surpreendente. São meninos e meninas comunicativos por excelência pois nascem sob um formato astrológico, mais a frente explicado, que os leva a interagir.


Recebi muitas famílias em busca de apoio e informação e sempre me apercebi que devia aprender ou recordar com eles factores para mim já esquecidos. Muito atentos a todas as conversas, parecem compreender os anseios e preocupações dos pais de uma forma compassiva e descontraída. Verifiquei quadros revertidos em alguns casos em que os pais se lançaram na senda da expansão espiritual para melhor entender, para melhor comunicar com os seus filhos.


Olhos grandes e atentos, sempre em busca de harmonia. Foi sempre uma honra estar perante corpos pequenos e almas grandes e sábias. Com o tempo habituei-me a perceber as suas manifestações, postura corporal, telepatia, sorriso, e a forma como acompanharam sempre todas as consultas. Sempre que sugeri aos pais evolução espiritual, percebi suas manifestações de acordo.  

Recebi Índigos em disfunção com o meio devido à falta de acompanhamento, percebi a ajuda do irmão ou irmã Cristal. Em algumas sessões cheguei a pensar que não estava lúcida. Lembro de cada Cristal que cruzou a minha vida com uma precisão marcante. Cada um deixou em mim a recordação desse encontro, a sabedoria maior que demonstrou, a vibração elevada que em segundos enche uma sala e a esperança de um mundo melhor.


O estudo sobre estas crianças versa sobre matérias mais subtis e que o Ser humano já esqueceu. A mim pessoalmente despertou memórias do povo Lemuriano. A ajuda divina, que tenho tido com os Índigo, continua a chegar agora para os Cristal. Muita informação me foi passada durante o sono, em sonhos, durante o dia por pessoas que encontrei, livros que li ou simplesmente por informação que me apareceu na cabeça.


Tenho a percepção de estar muitas vezes acompanhada pela energia dos meninos e meninas, enquanto escrevo este livro é uma constante e isso dá-me a satisfação e o alivio de estar a fazer a coisa certa e dá-me a força para continuar em frente.


Com o tempo percebi que eram as crianças que me traziam os familiares, pais, avós e não o inverso. Os adultos sempre preocupados com a falta de comunicação ou simplesmente ausência do saber lidar. Acabou sempre por ser uma forma de ajuda aos adultos com a conclusiva felicidade e consequente acompanhamento dos mais novos.


Sabemos que o nascimento de uma alma no seio de uma certa família é um facto premeditado. Diria combinado com todos os detalhes entre os intervenientes. Todos nós pertencemos a uma família terrena por bons motivos, nem que sejam saldos karmicos a ajustar. A verdade é que a criança Cristal, necessita de evoluir além da boa prestação energética que trás ao planeta com o seu nascimento. Assim, lhe será necessário nascer numa família, em que pelo menos um dos pais tenha alguma evolução espiritual, nem que seja inconsciente. Logo que a criança nasce, este factor é desperto. 
Algumas crianças Cristal, comunicam-se com seus pais antes mesmo de encarnar e solicitam que algumas características estejam presentes para as receber. Podem escolher previamente o seu nome, local onde desejam nascer, onde desejam ser concebidos por forma a que a coluna de luz seja sustentada da forma que mais lhes convém. Somos uma alma. Podem ainda enviar dados como por exemplo que profissão vão desenvolver, detalhes físicos, ou espirituais. Quando a família não capta os chamados, uma vez que este planeta é um pátio gigante de distracções, e a alma esquece com facilidade quem é, a criança pode já em processo de encarnação, mostrar má formação física. Falo da vida intra-uterina. O que pode à primeira vista parecer um enorme problema acaba por ser na verdade uma oportunidade de crescimento para a família.

Comparativamente as crianças Índigo, que como já vimos têm um papel revolucionário quando mal enquadradas, as crianças Cristal dão menos trabalho, já que raramente tem manifestações atípicas que desgostam os pais. Podem demonstrar algumas debilidades físicas porque não são tão robustas. A sua área emocional deve ser preservada, ou estaremos perante Seres que podem padecer de alergias respiratórias ou cutâneas como forma de chamar atenção. Logo que a questão é entendida pelos pais, por um deles ou o cenário é alterado, a criança normaliza quase de imediato.

Isabel Leal

Fisiologia e Alimentação de Índigos e Cristais

fisiologiaAs crianças padrão, as índigo e as cristais, têm diferenças em sua estrutura física e fisiológica, ou seja, externa e internamente são diferentes, possuem características próprias. Não dá pra dizer que são todas iguais em estrutura, principalmente as índigo e cristais que tem estruturas muito diferentes, e infelizmente está havendo uma confusão muito grande quanto a elas, as crianças índigo possuem energia, estrutura e missão de vida bem diferentes das crianças cristais, que hoje são raras, elas ainda virão em grande quantidade, hoje temos nascimentos em massa de crianças índigo.
As pessoas padrão têm a estrutura física mediana e ainda são a maioria em nosso planeta, essas pessoas moldaram o planeta para elas, ou seja, tem alimentação própria para o seu fisiotipo.

As pessoas índigo têm uma estrutura física maior, são opulentas altas e largas, possuem uma estrutura física forte e a fisiologia, o lado interno mais sensível, por serem hiperativas e intensas acabam por se alimentar muito mais do que o necessário. NÃO podem se alimentar como as pessoas padrão, muitos dos alimentos normais naturais ou não podem causar alergias e aumentar a hiperatividade que é comum nessas pessoas.

As crianças cristais têm (e terão) uma estrutura física menor e serão mais magros, elas terão a estrutura fisiológica mais resistente, ou seja, ficarão menos doentes dos que as padrão e as índigos, mas serão fisicamente mais sensíveis, uma queda poderá machucar de verdade, o lado externo será mais delicado que o interno. A alimentação dos cristais será em menor quantidade, pois seu organismo irá aproveitar muito mais dos alimentos e não haverá muita preocupação com o que irão comer. 
alimentos-3Adultos índigo e responsáveis por crianças índigo devem ter em mente que suas cestas de compras não podem ser iguais à de todos.

Estamos passando o que é o ideal, sabemos que a realidade socioeconômica das pessoas difere, então se não for possível seguir 100% do que passamos compreendam que vocês podem fazer o que for possível. Não sintam-se mal por isso.

Sabemos que muitas crianças se alimentam da forma que não é a ideal e que será difícil mudar de uma vez, então, conversem com seus filhos e expliquem que tais alimentos não fazem tão bem a eles, que esses alimentos o fazem ficar mais agitados que o normal e que isso pode trazer uma série de problemas, como alergias e sensibilidades no estômago. Normalmente a sinceridade os convence a fazer o melhor.
Alimentos como chocolates, catchup, mostarda, molho de soja, vinagres (em especial os de maçã), embutidos como salsichas, carne defumada, presunto, açúcar e sal refinados, cafeínas, refrigerantes (em especial à base de cola), queijos coloridos, manteigas, margarinas e sorvetes com corantes, corantes, conservantes e salicilatos devem ser totalmente evitados.
Existem alimentos naturais que contem salicilatos e o ideal é serem evitados, são eles: frutas secas, morangos, framboesa, maçã, amora, laranja, damasco, cereja, picles, pepino, pêssego, chás mate e preto (que contenham cafeína), café, ovos, molhos de tomate e peixes e com moderação.

Peixes de água salgada possuem uma concentração bastante alta de iodo, portanto, pessoas que possuem uma alimentação saudável, devem se preocupar, pois o excesso de iodo é tão prejudicial como a falta dele, então, se você usa o sal refinado, tenha especial atenção ao seu consumo de peixes (principalmente de água salgada). Lembrando sempre que o equilíbrio é muito mais importante do que o excesso ou a escassez, portanto, analise bem sua alimentação, a falta de iodo no organismo é tão ou mais, prejudicial do que o excesso.
O sal refinado é outro problema sério, pois, tanto a falta como o excesso do mesmo é extremamente prejudicial à saúde de todos, especialmente de índigos e cristais. Portanto, quando possível, é aconselhável substituí-lo por sal marinho não refinado ou, melhor ainda, a flor do sal, que é uma camada muito fina que se forma na superfície da maré salgada e seca naturalmente ao sol.
Outros alimentos que não fazem muito bem são as carnes de animais como as de boi e as aves que tenham sido criadas com hormônios, antibióticos e excesso de produtos químicos.
Deve ser observado a tolerância, nessas crianças, de derivados de leite de vaca, aromatizantes de uva e laranja, cana-de-açúcar, chocolate, tomates e trigo.
No café da manhã dessas pessoas deve ser evitado o excesso de carboidrato que devem ser substituídos por proteínas.

Adoçantes artificiais só devem ser utilizados por crianças menores de 12 anos e por gestantes quando indicados por médicos e nutricionistas. Nesse caso verifique a possibilidade do uso de frutoses ou stévia, que são adoçantes naturais.
Óleos de soja devem ser substituídos por óleo de canola ou prímula.
Aditivos alimentares, tais como os antioxidantes BHA e BHT (**possuem a finalidade de inibir ou retardar a oxidação lipídica de óleos, gorduras e alimentos gordurosos e são empregados através de compostos químicos na alimentação industrializada.), corantes vermelho, amarelo e azul, conservantes, além de leite de vaca pasteurizado, aromatizantes e açúcares refinados podem causar um tipo de alergia cerebral que seria responsável por depressões e alucinações.
alimentos-2
O ideal é que os alimentos sejam orgânicos para que não haja tais aditivos, com exceção dos que são naturais como a laranja e que não fazem bem, procure comprar açúcar orgânico e do tipo demerara (que é o mais escuro), esses passam por menos refinação. Pra quem mora no interior é muito mais fácil encontrar ovos, frango e carne orgânica, ou seja, animais que foram criados livres se exercitando, tomando sol e tiveram uma alimentação adequada, sem produtos químicos em sua alimentação, e que o abate foi feito da melhor forma, pois o animal produz um hormônio prejudicial ao ser humano quando sente medo da morte e ele passa para a carne e conseqüentemente para quem a consumir. Nas grandes cidades é possível encontrar nos grandes supermercados ovos, frangos, carnes, verduras e frutas orgânicas, infelizmente ainda por um preço mais elevado.
Meu (Eu, Simone) filho é uma criança índigo bem intensa, aos poucos fui introduzindo uma alimentação diferente em sua dieta, muitas coisas ele não percebeu como a introdução dos alimentos orgânicos e a troca dos óleos, outras coisas como o chocolate, os refrigerantes e as frutas eu sentei e conversei com ele, expliquei que tais alimentos não estavam fazendo bem a ele e que ele não percebia, mas que eu via diariamente o que eles estavam fazendo a ele, combinamos que a cada sábado ele poderá escolher um desses alimentos ‘proibidos’ como exemplo: se ele tomar coca-cola não come chocolate nem catchup, então a cada semana ele escolhe o que vai poder comer. Quando ele começa a se agitar após a ingestão do alimento eu mostro a ele o seu comportamento para que ele tenha consciência de que eu não estou falando por falar, mas sim porque está realmente acontecendo, e assim aos poucos ele sozinho vai se afastando desse tipo de alimentos. Como foi o caso dos achocolatados e o próprio chocolate.
Eu adulto índigo que sou, passei uma infância bem restrita no que se diz a alimentação, pois era alérgica a todos os tipos de conservantes e colorantes que haviam nos alimentos industrializados, nos salgadinhos, doces e afins, em alguns medicamentos que contém corantes amarelo, vermelho e laranja, ao iodo dos frutos do mar e das vacinas. Hoje sei o motivo, mas na época apenas me achava doente, e já na fase adulta sempre prestei atenção aos alimentos industrializados como os salgadinhos e os naturais como os frutos do mar… Hoje acho melhor saber que meu corpo tem a fisiologia diferente do que me achar doente, ser “doente” principalmente na infância não é agradável.
As frutas, os legumes e a água, têm um enorme impacto sobre os índigo, mais do que se possa julgar. A adição de cloro ou flúor na água a torna tremendamente desestruturada e isso causa um impacto muito forte nessas crianças que não possuem as mesmas resistências a esta água que os ditos “padrões” possuem, pois são portadores de cromossomas que foram desligados há alguns milênios de anos atrás e voltaram a ser ligados com a purificação do planeta.
Para resolver esse problema o ideal seria a aquisição de um filtro de água que contivesse o elemento filtrante Carbomax, caso isso não seja possível, o uso de água mineral é o melhor.
Podemos reestruturar a água, pegando 10% do total de água (filtrada ou mineral) a ser armazenada e colocando-a próxima ao coração e magnetizando-a com nossos melhores pensamentos ou uma prece sincera.
Quando a água é armazenada ela perde sua energia vital e é aconselhável “revivê-la” antes de oferecê-la a essas crianças. Para isso coloque um galhinho de salsinha, hortelã ou tomilho recém colhido dentro de um pote com a água que será consumida naquele dia. Ao invés dessas ervas pode-se acrescentar algumas gotas de limão, porém apenas quando for consumi-la.
A alteração do DNA pela qual TODOS os seres humanos estão passando, fará com que, em breve a alimentação de todos seja revisada. Alimentos orgânicos, água purificada, carnes livres de substâncias químicas e hormônio farão parte, em breve, do cardápio de todos e isso fará com que a indústria alimentícia e os supermercados passem a oferecer uma variedade maior de alimentos saudáveis.
Lembrem-se que a alimentação saudável é uma forte aliada na criação dessa nova geração, porém não se pode deixar de lado a educação correta, já que essas crianças tendem a se rebelar com facilidade. Se os pais ou responsáveis não forem firmes, pacientes e amáveis simultaneamente, não conseguirão lidar com elas e poderão se tornar adultos intragáveis.
…E “padrão”, “índigo” e “cristal” são apenas rótulos, que não gostamos de usar, mas o fazemos para facilitar a explanação do assunto e das grandes mudanças que estão ocorrendo no Planeta Terra. Não rotulem suas crianças, apenas amem-nas e eduquem-nas de todo o coração e de todo o entendimento para o caminho do amor.
Espero que essas instruções sejam esclarecedoras a todos. Muita luz e paz.
Pelos Espíritos Pierre e Andrey, canalizado por Regina e decodificado por Simone Simões.
 FONTE: http://www.evoluindo.org

Postagens populares