domingo, 6 de maio de 2012



Os Índigos
Novas Crianças - Novos Homens
Uma nova cor - o índigo - surgiu, conferindo aos indivíduos capacidades, talentos e características físicas bem diferentes das outras cores. Nesse momento (1989), a maioria das pessoas de aura índigo são crianças ou jovens.
Vejo as crianças de aura índigo como sendo investidas de talentos e novas faculdades que serão necessários à nossa evolução. Essas crianças têm características singulares, cujo propósito só podemos presumir.

Os pais das crianças índigo estão diante de um desafio especial - como cuidar e educar filhos tão especiais, e ao mesmo tempo ajudá-los a seguir a direção predominante da sociedade contemporânea. Os pais de algumas dessas crianças apoiam e valorizam essas diferenças. Outras crianças de aura índigo não vão ter a mesma sorte.

O importante sobre o indivíduo de aura índigo é que ele tem uma capacidade de liderança diferente daquela que conhecemos até agora. Ele entende o que significa um ser humano plenamente realizado sem ter aprendido esse conceito de ninguém.

O mais difícil para ele é desenvolver a paciência e a tolerância. Como parece já ter conhecimento do verdadeiro significado da autenticidade, tem pouca paciência com os outros, que ainda lutam para compreendê-lo.
Não que lhe falte compaixão. Porém, sua forma de compaixão consiste em dar aos outros seres humanos tempo e espaço bastante para encontrarem suas próprias respostas, para chegarem a suas próprias conclusões.

ABORDAGEM DA REALIDADE FÍSICA: SENSIBILIDADE SUPRANORMAL
O indivíduo de aura índigo tem um sistema bioquímico com necessidades e considerações diferentes daquele de outras cores da aura. A aceitação da parte dos pais desse sistema mais sensível é compensada regiamente.

O indivíduo índigo parece registrar os dados físicos, emocionais e psicológicos numa frequência inusitadamente alta, da mesma forma que alguns aparelhos de som são concebidos para captar ondas sonoras de ordem superior. Por causa disso, o sistema do indivíduo índigo se sobrecarrega com facilidade, e pode ficar confuso com muita estática mental, barulho e agitação. Do mesmo jeito do indivíduo de aura cristal, ele tem um sistema nervoso muito sensível. Excitação em demasia ou estimulação prolongada fazem com que ele se retraia. Os adultos compreendem mal esse comportamento, considerando a criança difícil ou voluntariosa, quando ela está apenas tentando conseguir uma pausa emocional.

O indivíduo índigo é alerta desde o começo. A criança não costuma ter o mesmo ar difuso dos outros recém-nascidos. Mesmo adorando laticínios como queijos, iogurte ou sorvetes, o índigo tem intolerância física ao leite de vaca, que provoca congestões das vias respiratórias superiores, tosses, coriza, infecções de ouvido. A substituição por produtos com leite de cabra ajuda-a a se sentir melhor.

Por causa de seu sistema nervoso inusitadamente sensível, ela precisa de um ambiente mais plácido e tranquilo que outras crianças. Quando submetida a longos períodos de estimulação, seu sistema nervoso se sobrecarrega, tornando-a irritável ou indisposta. Parecem seres mimados demais, mas na verdade têm necessidades diferentes. Precisam de estímulo ao lado lógico do cérebro, de modo que o lado intuitivo (o cérebro direito), muito ativado, fique livre para vagar. Música para meditação é interessante, uma vez que a relação do aura índigo com a musicalidade é muito poderosa.

Tais criaturas são realmente muito bem dotadas mentalmente, em todos os níveis do mental (do lógico ao abstrato), porém de uma forma nova e diferente. Realmente querem entender, não para aumentar sua auto-estima, ou pelos privilégios que desfruta uma criança bem dotada, mas por causa de sua curiosidade natural.

Quanto ao temperamento, o indivíduo índigo costuma incorporar características masculinas e femininas ao mesmo tempo. Por isso, na vida adulta, não costuma ter preconceitos em relação à sexualidade - heterossexualidade, homossexualidade ou bissexualidade. Tudo costuma ser a mesma coisa para ele. Aproxima-se e afasta-se dessas várias formas de expressão sexual com muita facilidade. Sua união é mais de alma com alma do que de corpo com corpo. A expressão sexual é um meio de comunicação tão profundo que o sexo realizado com o propósito de liberação física é simplesmente incompreensível para ele. Como ele se renova tanto física quanto espiritualmente em cada uma dessas experiências, parece ter um impulso sexual menor; é na verdade uma pessoa muito individualizada para interagir sexualmente e sair ileso.

ATITUDES MENTAIS: SUPERDOTAÇÃO CONSCIENTE
A aguda perspicácia intelectual é um dos aspectos mais gratificantes e mais exasperantes do indivíduo índigo. É brilhante e inquiridor, com uma inteligência que vai muito além dos conceitos mais tradicionais. Como as crianças de aura índigo parecem nascer sabendo tudo, não costumam pedir informações, mas procuram verificar os conhecimentos que já têm. Elas nada aprendem, apenas se recordam de tudo. Costumam testar os outros para saber se merecem confiança. Fazem perguntas difíceis que exigem respostas ponderadas e inteligentes. Uma resposta como "porque eu mandei", ou "as coisas sempre foram assim", ou mesmo "porque é assim, e pronto", só faz brotar outra pergunta sagaz por parte do indivíduo índigo. Bem cedo, em geral antes dos dois anos de idade, ela já tem uma notável compreensão de conceitos abstratos. Não está sendo precoce. Em verdade, a aura índigo representa o indivíduo do amanhã.

Como costuma ir diretamente à essência das coisas, não se engana com as aparências. Quando chega a hora de saber, nada a faz desistir.

Costumam ser criaturas bem dotadas que não se impressionam um milímetro com os próprios dotes, e qualquer sistema que não atenda às suas necessidades irá gerar problemas. Independentes sem serem arrogantes, sabem exatamente do que são e do que não são capazes. Não são arrogantes, simplesmente rejeitam a falsa modéstia. O sistema escolar tradicional, com sua forma encadeada de aprendizado, não funciona para esse ser.

Para o ser índigo, a aprendizagem não é errática ou fortuita. Temas, tópicos e idéias não podem existir isoladamente para o índigo. Ele vê o mundo e as idéias como fragmentos interligados de uma estrutura organizacional maior, a qual estão diretamente conectados, como micros numa grande central cósmica de informações. Aprender um tópico sem considerar suas implicações em outras áreas de conhecimento é algo incompreensível para elas. Precisam entender como as peças se encaixam. Mergulha em tudo muito profundamente. Ressente-se quando um modelo de aprendizado lhe é imposto, ou quando tem de se limitar seguindo à risca um padrão pré-fabricado.

Precisa de espaço próprio: sua própria mesa, seu próprio quarto, etc. Seu campo magnético altamente individual precisa da solidão como forma de recarrego.

Como se entusiasmam facilmente em suas jornadas mentais, são indivíduos que reagem bem a lembretes gentis de "o jantar sai em meia hora".
Marcadores de página mentais são importantes para essa criatura que tão facilmente se conecta a fontes de informação que para outras pessoas são coisas muito distantes.

Às vezes tem dificuldade de explicar suas idéias e imagens aos outros, mas fica martelando seu ouvinte com dados e exemplos até passar sua idéia e o ouvinte o compreender.

Suas necessidades intelectuais são ecléticas, com muitas formas variadas de aprender. Muda de interesse também com extrema facilidade, um dos maiores problemas do indivíduo índigo reside em sua tendência para se entediar. Alguns desses indivíduos chegam mesmo a abandonar a escola ou faculdade por puro tédio. Não que seja arrogante ou se considere mais brilhante que os outros, mas quer simplesmente a liberdade, com uma certa orientação, para dedicar-se a seus interesses e saciar sua imensa sede de saber.

As pessoas que exercem autoridade devem respeitar e argumentar com esse tipo de indivíduo. É impossível que ele seja coagido a fazer algo que não queira. Mas coopera brilhantemente quando não é tratado com superioridade. Pode se tornar gélido e obstinado quando é subestimado, ou fazer uma sala inteira explodir de alegria com sua capacidade de manipular as correntes emocionais.

CONSTITUIÇÃO EMOCIONAL: AUTENTICIDADE E AUTOCONSCIÊNCIA
Em muitos níveis, o aura índigo nunca é criança, mesmo que seja absolutamente infantil nos primeiros anos de idade. Parece mais maduro que outros da mesma faixa etária, reagindo com empatia e compreensão aos pequenos dramas da vida. As crianças de aura índigo parecem bem mais auto-suficientes que as outras, precisando de menos interação com a família e outras crianças. Ficam bem quando dispõem de muito tempo sozinhas para se dedicar aos seus próprios interesses e atividades. Têm a imaginação activa e muitas vezes falam consigo mesmas, perdidas em outra realidade. São criaturas que se dão bem em ambientes que colocam alguns limites claros e seguros em seu comportamento, ser cercear suas necessidades de explorar e descobrir. Quando tratada com respeito, a pessoa de aura índigo é extremamente cooperativa.

Pouquíssimos passos do processo normal de aprendizagem e desenvolvimento aplicam-se ao indivíduo índigo, e por isso muitas pessoas se sentem perdidas ao tentar compreender o que realmente motiva os indivíduos com esta cor de aura. O mais curioso é que a pessoa índigo não é, de forma alguma, passível de corrupção emocional, absolutamente invulnerável ao sentimento de vergonha, culpa ou rejeição. Ela prefere aceitar as consequências de seus atos a ir contra aquilo que acredita.

Não adianta querer manipulá-la com a noção de culpa. É uma emoção que simplesmente parece não compreender. Punições pouco significam para ela. Têm menos significado ainda quando alguém procura justificar algo dizendo "essa é a forma como as coisas funcionam", ou "faça porque estou mandando".

O indivíduo índigo sabe exatamente o que deseja, sempre. Se alguém lhe apresentar opções, tem de estar preparado para ir até o fim. As opções oferecidas e não cumpridas afetam a credibilidade das pessoas que participam de sua vida. Da mesma forma, o índigo tem um verdadeiro e intenso desprezo pela falta de autocontrole das outras pessoas. De uma forma interessante, contudo, o índigo não guarda rancor nem recorre a comportamentos emocionais de vitimização. Apenas se lembra, com sua mente de computador, quem merece ou não merece confiança.

O indivíduo índigo dificilmente é efusivo ou abertamente afetuoso. Parece auto-suficiente. É prudente ao dar seu afeto. Quando relativamente contente, ou quando vence algo, não explode numa felicidade estonteante. É como se ele já tivesse visto tudo isso antes.

Em geral, só consegue se comunicar de forma absolutamente fluida com algumas poucas pessoas. Aprende bem cedo a ser cauteloso e selectivo na hora de compartilhar seus pensamentos, idéias, sensações, pois sabe que é pura perda de tempo tentar se comunicar com mentes inferiores. E não tem a menor vocação para convencer alguém de algo. Até poderia, com a pressão mental quase telepática que exerce sobre os outros. Só que não tem a mínima paciência pra isso.

O indivíduo índigo sente-se muitas vezes isolado e fora de sintonia com as outras pessoas. A sensação de isolamento é semelhante àquela sentida por uma minoria dentro de um grupo, ao menos por enquanto, nesse tempo que vivemos, onde a aura índigo ainda é uma nova mutação energética, psicológica e até mesmo bioquímica.

A sensação de solidão vivenciada pelo índigo o conduz para o uso de drogas, muito mais como uma alternativa de expansão da consciência (conexão com O Todo) do que como uma forma de afirmar um padrão de vida rebelde. É um tipo que não se encaixa em padrões, e se sente como a ovelha negra da família, da escola, da sociedade. O indivíduo índigo, e níveis profundos, sabe que estamos todos interligados como uma família, sem linhas divisórias nem áreas de separação ou propriedade. Vê isso de forma tão intensamente clara, que muitas vezes se sente isolado em sua compreensão. É uma alma extremamente gentil, por trás de um semblante de indiferença gelada, ao qual as pessoas geralmente se prendem, por terem perspectiva superficial.

ESTILO SOCIAL: RECUSA AOS PADRÕES
O indivíduo de aura índigo sempre diz a verdade, por mais brutal que possa parecer aos outros. Não é regido pelas normas sociais de nosso tempo. Não se comporta de uma determinada maneira só porque os outros o amarão mais como recompensa. Para ele, culpa é algo que simplesmente não existe. Não tem como entendê-la, pois seu propósito de vida, em momento algum, envolve "ser bom"; é descobrir novas formas que permitam a todos nós nos expressarmos de modo a continuarmos funcionando como um mundo cheio de fantásticas diferenças singulares, que o tornam rico. "Bondade, delicadeza e aceitação" são valores absolutamente sem sentido para ele.
Esses conceitos não o motivam uma polegada. Obedece a uma regra se, e apenas se concorda com a premissa moral que a sustenta, e se comporta de uma determinada maneira porque deseja um relacionamento onde seja possível compartilhar e negociar. Porém jamais obedece pelas vias da coerção, mesmo que haja tortura. É inclusive resistente à dor, moral, física ou psicológica, ao ponto de enlouquecer quem queira manipulá-lo. Sabe dizer não, e sabe mantê-lo; nenhuma ameaça, nenhuma promessa, rogo ou castigo pode fazê-lo mudar de idéia. É motivado por outras coisas.

Quando criança, o indivíduo índigo tem uma inteligência social bem acima da média. Quando adulto, torna-se muito seletivo em seus relacionamentos. À medida em que vai ficando mais velho, vai ficando cada vez mais difícil explicar sua singularidade, e escolhe amigos e companheiros que o aceitam como ele é.

Muitas vezes escolhe parcerias amorosas que são antes de tudo grandes amigos e companheiros, e, só depois, amantes. Prefere ainda pessoas de personalidade forte, firmemente enraizadas no mundo contemporâneo, e tem verdadeiro e real desprezo por pessoas frágeis, carentes e vítimas de uma visão maniqueísta das coisas. O indivíduo índigo precisa que sua família e amigos funcionem como amortecedores, para se sentir em segurança no mundo. Precisa de alguém em quem confiar. Numa relação íntima, não quer ter de controlar seu comportamento, e por isso escolhe pessoas que tenham simpatia por sua necessidade de comunicação de alma para alma, e que aceitem sua impossibilidade de se adaptar a conceitos sociais. Muita gentileza e envolvimento emocional são a recompensa para quem se relaciona com ele.

PODER PESSOAL E ESTILO DE LIDERANÇA: EXERCÍCIO DA VONTADE INDIVIDUAL
O indivíduo índigo é o líder de uma nova era pelo fato de seguir sua própria direção interior. Não lidera pela força, pela vontade ou pela personalidade. Seu poder reside na indiferença pelas recompensas e pela recusa em ser manipulado. Ele lidera fazendo-nos repensar e reexaminar nossas crenças, valores e formas de fazer as coisas. Ao questionar as práticas tradicionais, passa a expor a tremenda falta de lógica de muitas coisas que fazemos. Não tem a capacidade administrativa ditatorial do indivíduo de aura violeta. Vê a realidade alternativa do de aura lilás e ainda por cima, adicionalmente falando, conhece as transformações que estão para acontecer na tecnologia, ciência e invenção. É a nossa esperança.

A pedra fundamental de sua personalidade, de seu poder pessoal e de seu estilo de liderança é a recusa em ser manipulado ou coagido, mesmo por si mesmo. Nenhuma consequência é tão grave, nenhum castigo é tão duro que o faça abandonar suas metas. Também não fica enraivecido, não é recalcitrante ou obstinado. Apenas considera todos os fatos e depois toma uma decisão.

O aspecto mais importante do indivíduo de aura índigo é sua adesão ao sistema de valores internos, uma adesão que parece ter nascido com ele.
Não se trata de algo adquirido ou aprendido; é, só isso. Ele representa o ser humano plenamente realizado e que pode incorporar em si todos os desafios e potenciais da vida. Nasce sabendo que a vida é cheia de alegria, e pode continuar sendo, não evitando a dor, mas aceitando-a; não sendo bom, porém enfrentando a cobiça, a ambição e a inveja, e integrando-as ao seu próprio ser.

OPÇÕES FINANCEIRAS: SEGUINDO OS PRÓPRIOS CAMINHOS
O indivíduo índigo não entende quase nada de dinheiro, e o vê como parte do sistema de manipulação usado por algumas pessoas para controlar e dirigir as ações e comportamentos de outras. Trabalha porque gosta, porque traz benefícios e prazer para si e para os outros, e porque se sente útil trabalhando. Se achar um emprego tedioso, ou que exija mais esforço do que foi combinado, ele apenas o abandona.

O indivíduo índigo não é preguiçoso. Observá-lo trabalhando num projeto que o interessa e que absorve toda a sua atenção é defrontar com a verdadeira tenacidade. Sabe o que deseja e o que não deseja.

Isso o coloca na situação precária de tentar imaginar como é possível se sustentar fazendo o que gosta. Uma de suas saída é a vida comunitária. Viver de forma a dividir as despesas e as responsabilidades funciona bem para ele.

ESCOLHA PROFISSIONAL: A VISÃO DO FUTURO
No mundo atual, o indivíduo índigo tem grande satisfação em trabalhar com as mãos, ou com qualquer coisa ligada à ciência, à arte. São inteligentes, de fala envolvente, trabalham duro e são dedicados.
Possuem habilidade para lidar com coisas eletrônicas.

No futuro, na medida em que surgirem novas situações e necessidades, o indivíduo de aura índigo será o mais requisitado, pois possui uma visão antecipada do futuro. Pode ser um excelente médico, psiquiatra, psicólogo, escritor, tecnólogo, biólogo, cientista, filósofo, e deve correr para bem longe de atividades como direito, ciências políticas e prendas domésticas.

ESPIRITUALIDADE: ALÉM DOS CONCEITOS HUMANOS
A espiritualidade expressa pelo indivíduo de aura índigo é um exemplo do que deve ser a vida sem a culpa e o medo usados por tantas religiões para intimidar e manipular seus seguidores. Ele sente a natureza da própria divindade, aquela parte de si que é um reflexo da perfeição divina. Para ele, a espiritualidade está relacionada à autenticidade das coisas como elas são, sem adjetivos limitadores, que dividem a realidade em coisas "boas" ou "más".

O indivíduo índigo parece nascer sabendo tudo, graças à mutação energética e bioquímica que lhe permite entrar em conexão empática com O Todo. Não vê a vida sob a óptica de conceitos como "evolução" ou "perfeição", pois consegue captar a sutil verdade de que, para admitir a existência de evolução, precisaria admitir primeiramente a existência de coisas "melhores" e "piores", e ninguém melhor que o índigo para saber que isso não existe, exceto nas mentes das pessoas escravizadas pelo maniqueísmo.

Ele tem uma relação única com o Poder Superior. A maioria da humanidade considera tal poder como algo "acima" e "distante", e assim o busca. O indivíduo índigo parece ter a sensação íntima do poder superior. Para ele, o Poder Superior é uma realidade cotidiana, não um conceito teológico. Deus é. Ele vê a busca humana pela espiritualidade como uma fachada primitiva, tola, ingênua e empobrecida.

De uma forma curiosa, entretanto, é justamente o indivíduo índigo o que mais sente facilidade para se adaptar a práticas espirituais tradicionais. Tem dom para a meditação, e aprecia objetos cerimoniais, velas, incenso, mandalas, fogueiras, pedras, símbolos. Todavia, tais ritos e objetos são utilizados, em verdade, pelo índigo, para ele brincar, o que não elimina o respeito que sente pelo primitivismo humano. Entedia-se, mas é sutil.

É uma pessoa eclética no plano espiritual, capaz de fazer um mix de tradições, rituais e símbolos ao mesmo tempo, obtendo paz e conforto desses objetos exteriores. Mas não é realmente ligado a nada disso, ou a qualquer sistema de crenças. O índigo compreende, desde a mais tenra idade, que há uma configuração no Universo que tem muito pouco a ver com as normas e regras que as pessoas fizeram. São os enviados da nova espiritualidade holística, e não aprenderam isso com ninguém. Tudo, o templo e os objetos de poder, estão dentro dele, e por mais que muitas pessoas conheçam ou preguem isso em teoria, com o índigo é diferente. Ele simplesmente sabe.

O índigo é compreendido como uma mutação paranormal no esteio da humanidade atual. É este o ser que tem a visão da tecnologia e do futuro. Para ele, nossa civilização parece tão bárbara e supersticiosa quanto a corte do Rei Artur pode parecer a um americano comum. 



fonte: sintoniasaintgermain

Postagens populares